quarta-feira, 9 de junho de 2010

Namorar.


Estava eu em uma “plenária” interna para escrever algo que não fosse considerado a mesmice dos poetas, seresteiros e namorados, aquela coisa do último romântico, algo que por sinal nosso belo planeta está carente.
Temos por hábito, infelizmente, esquecer as coisas simples e boas da vida, talvez devido a nossa natureza contemporânea e confusa.
Normalmente quando pensamos ou discutimos relacionamentos, falamos em paixão, egoísmo, se ela dança eu quero futebol, os amigos dela não são interessantes, aquela lâmpada não foi trocada, você olhou para ela/ele, se for “trepar” não beba demais, ele nem me deu uma rosa no dia dos namorados, ele foi grosso com minha mãe, esse amigo dele é um babaca, a esposa do amigo é mais babaca ainda, ele não gosta de sair comigo quando vou comprar roupas ou sapatos !?!?!?, ele nem reparou meu corte de cabelo, esse bigode está ridículo, ela soltou um “pum”.....Tudo picuinhas e pirraças normais de qualquer relacionamento e que tende a ser mais ou menos grave quando um cede e o outro não, pois esquecemos que não podemos “possuir” o outro e sim conquistá-lo/la diariamente.
Abrir a porta para ela, convidar para um jantar a luz de velas, preparar seu café aos domingos, telefonar no “dia seguinte” e desejar-lhe um bom dia, escrever uma carta amorosa, não se importar em parecer bobo/a, dançar juntinho, suspirar com seu abraço, tomar o mesmo sorvete, passear de mãos dadas, fazer uma trilha, iniciar e ser iniciado.
Talvez o desafio para perpetuação dos relacionamentos seja a “manutenção” daquela coisa de liberar todas as “ina” (endorfina, adrenalina, dopamina e etc) no primeiro beijo, nos seguintes e no amadurecer, juntos, desta coisa gostosa que chamamos tesão.
Bem, torcendo para que algo tão mágico e excitante não se torne tão banal, segue algo que escrevi em junho de 2007 e que fala dessa coisa que merece se eternizar:
Namorar.
“A primeira troca de olhares,
O sorriso tímido, faceiro,
O primeiro beijo,
O arrepiar indescritível, o desejo,
Um não sei o que,
O suspiro, o anseio,
O que não se pode "adjetivar".

O sonhar todos os dias,
A serenata , o luar,
O querer perene,
O toque nos cabelos,
O "suar" das mãos,
O sussurro no ouvido,
O frio na barriga.

O pensar que com ela o mundo pode acabar,
Os primeiros versos,
O prazer interminável,
O estar junto,
O que não posso controlar,
A saudade alegre do próximo encontro.

Namorar, essa coisa gostosa,
Que acontece de repente,
Do eu entrar em sua vida e você na minha,
Inesperadamente...”

3 comentários:

  1. è o amoooorrrrrr que mexe com a minha cabeça e me deixa assim. Brother ou "" Bró"" demax
    abraço
    Saudacoes cariocas
    Milton

    ResponderExcluir
  2. É isso ae brother!!! "Love is in the air"

    http://www.youtube.com/watch?v=NNC0kIzM1Fo

    Grande abraço!!

    Cezar

    ResponderExcluir